Tempo de leitura: 3 minutos

A biodiversidade se beneficia com a alta produtividade

 

Muitas vezes nos deparamos com ideias que se fixaram em algumas áreas do conhecimento humano solidamente, mas que não necessariamente representam a realidade da forma mais fidedigna. Um exemplo disso na agricultura é traduzido no pensamento de que a atividade agrícola de alta produtividade é mais nociva para o meio ambiente do que técnicas mais tradicionais, tidas como mais “naturais”. Contudo, uma recente publicação da revista Nature Sustainability indica o contrário.

Um grupo de cientistas da Universidade de Cambridge, na Inglaterra, coordenou um estudo que envolveu 17 organizações britânicas e de diversos outros países, incluindo Austrália, Colômbia, México, Polônia e também o Brasil. A abordagem envolveu o desenvolvimento de uma estrutura para analisar centenas de investigações em quatro setores da cadeia de alimentos: um na Ásia (produção de arroz), dois na Europa (trigo e laticínios), e um último na América Latina (carne vermelha).

Os resultados obtidos sugerem que, ao contrário do que pensa a maioria das pessoas, práticas agrícolas mais intensas podem também produzir menos poluentes, causar menos deterioração do solo e consumir menos água. Isso está alinhado com um corpo de evidência cada vez mais robusto que indica que a melhor forma de atendermos a crescente demanda por alimentos consiste em obter a máxima produtividade de regiões agriculturáveis sustentavelmente, de forma a permitir que habitats naturais sejam preservados e a biodiversidade neles aumente.

Um contraponto seria o fato de que a agricultura intensa gera níveis desproporcionais de poluentes, erosão dos solos e alta pegada hídrica. Entretanto, muitos dos estudos anteriores consideravam esses parâmetros em relação à área utilizada na produção, o que superestimava os impactos ambientais de práticas mais intensivas. Agora, ao analisarem emissão de gases do efeito estufa, uso de fertilizantes e consumo de água em relação à quantidade de alimento gerado, os pesquisadores mostraram que as técnicas que aumentam a produtividade precisam de uma menor área para produzir a mesma quantidade de alimento – mostrando-se, portanto, menos danosas para a natureza.

Apesar de mais pesquisas serem necessárias, os autores já deixam um alerta, afirmando que a busca por uma produtividade aumentada visando apenas lucratividade e baixa nos preços de alimentos irá apenas comprometer ainda mais o meio ambiente. Assim, se o objetivo é alcançarmos um novo patamar em agricultura sustentável, é vital que ela seja combinada à manutenção de vida selvagem através de mecanismos que limitem a expansão agrícola descontrolada e desnecessária.

É por esse motivo que a agricultura tradicional está sendo revista e dando maior espaço para que a agricultura moderna esteja cada vez mais presente na vida do agricultor.  Ao oferecer a ele ferramentas dotadas de tecnologias mais eficientes e que consideram ainda mais o meio ambiente, ela continuará o processo de transformação no campo e beneficiará tanto nossa crescente população quanto nosso planeta.

Para mais conteúdos sobre Agricultura Moderna, explore ainda mais nosso site e acesse a nossa página do Facebook.

 

Artigos relacionados

Tempo de leitura: 4 minutos

Gesso agrícola: ainda hoje presente em nossos solos

Um grupo de cientistas da Universidade de Cambridge, na Inglaterra, coordenou um estudo que demonstra que práticas agrícolas mais intensas podem também produzir menos poluentes, causar menos deterioração do solo e consumir menos água - contribuindo com o meio ambiente. É a biodiversidade na agricultura. Ele mostrou que as técnicas que aumentam a produtividade precisam […]

Tempo de leitura: 4 minutos

Defensivos agrícolas no Brasil

Um grupo de cientistas da Universidade de Cambridge, na Inglaterra, coordenou um estudo que demonstra que práticas agrícolas mais intensas podem também produzir menos poluentes, causar menos deterioração do solo e consumir menos água - contribuindo com o meio ambiente. É a biodiversidade na agricultura. Ele mostrou que as técnicas que aumentam a produtividade precisam […]

Tempo de leitura: 4 minutos

A reinvenção do MIP

Um grupo de cientistas da Universidade de Cambridge, na Inglaterra, coordenou um estudo que demonstra que práticas agrícolas mais intensas podem também produzir menos poluentes, causar menos deterioração do solo e consumir menos água - contribuindo com o meio ambiente. É a biodiversidade na agricultura. Ele mostrou que as técnicas que aumentam a produtividade precisam […]